Acesso Rápido

Cover Guitarra – Abril / 2005

Cover Guitarra – Abril / 2005

POWER PEDAL

A Music-Tec, empresa de Mogi das Cruzes (SP) especializada em assistência técnica de amplificadores e pedais, lança no mercado o Power Pedal, uma pequena fonte de 9 volts que alimenta até seis pedais.
(Texto: Victor Luiz)

 

A febre dos pedais atinge um grande número de guitarristas, mas um grande problema em relação a eles sempre foi a alimentação. Uns optam pelas fontes, que geralmente causam ruídos indesejáveis; outros preferem as baterias, que, apesar de não oferecer problemas com ruídos, incomodam por causa das trocas periódicas. Para sanar os problemas com a alimentação dos pedais, foram lançados no mercado vários tipos de fontes, power supply e eliminadores de bateria.

O Power Pedal é construído em um gabinete plástico, com 12 cm de comprimento, 8 cm de largura e 3 cm de altura. Sua face superior possui um led indicador de força e seis conectores para plugues P2. O equipamento tem entrada de força 110/220 volts AC automático – ou seja, não necessita de transformador, nem apresenta chave de mudança de voltagem. As saídas são de 9 volts DC 2,4 A (400Ma por saída). Acompanham seis cabos de alimentação P2/P4 e P2/P2, de acordo com os tipos de conexão dos pedais, e cartão de garantia de um ano.

Sem transformador de ferrite, a fonte é mais leve e isenta de ruídos ocasionados por indução eletromagnética, que afetam pedais sensíveis como o wah wah. Suas pequenas dimensões tornam o Power Pedal uma fonte que ocupa pouco espaço, facilitando encaixe em cases ou pranchas (pedalboard) junto a outros pedais.

Testado com várias combinações de pedais, o nível de ruído do Power Pedal permaneceu baixíssimo, quase nulo. Isto se deve por conta da fonte funcionar com freqüências bem mais altas que as de áudio. Com isso, de acordo com o fabricante, o sinal dos pedais fica isento de ruídos audíveis. As seis saídas são isoladas e protegidas de possíveis curto-circuitos – nessas situações, o equipamento é desarmado.

O Power Pedal foi colocado junto aos pedais em um case e ligado direto no sistema de força em um estúdio de ensaio. Foram usados amplificadores Marshall Valvestate VS 65 e Meteoro V8 valvulado, nos quais liguei guitarras Fender Stratocaster Foto Flame japonesa e uma Giannini Stratosonic modificada, com captadores Gibson 500T e 496 na ponte e no braço, respectivamente. Também utilizei no teste um compressor MXR Dynacomp, Boss DS2 Turbo Distortion e Oliver SD10Super Overdrive.

Durante todos os testes, o nível de ruído foi quase imperceptível. Com pedais Chorus e Delay acionados, o ruído se manteve na mesma situação anterior. Também foi usado um wah wah Dunlop Cry Baby modificado, com chave true bypass e potênciometro Hotz Potz 470k audiopoter. Mesmo próximo à fonte, ele não apresentou nenhuma interferência, o que acontece com freqüência quando se usa uma fonte comum.

O Power Pedal também foi testado quando liguei os pedais direto na mesa. Nesse modo, foi colocado o pedal SansAmp Classic no lugar de um pré-amplificador. Para conectar mais de seis pedais, foi plugado em uma das saídas um cabo com cinco conexões para pedais. Mesmo assim, o nível de ruído continuou baixo, o que mostra que o Power Pedal possibilita um número maior de conexões. No entanto, deve-se levar em conta que, para ligar os pedais, é obrigatório verificar a polaridade dos conectores e da impedância dos mesmos – a soma de impedância dos pedais deve ser menor que àquela oferecida pelo pedal (2,4A).

O Power Pedal apresenta uma das melhores relações custo/benefício do mercado devido à enorme versatilidade de uso, podendo ser utilizada por músicos de qualquer estilo. Indicado para iniciantes e profissionais, o Power Pedal é uma ferramenta indispensável em qualquer pedaleira. A empresa informa que deve lançar em breve a versão com dez conexões e opção de gabinete de ferro. O fabricante aceita encomendas para versão custom, com o número de saídas de acordo com o número de pedais e voltagens mais altas, com 12 e 18 volts.